Asfalto

Topo
Asfalto

Asfalto

Categorias

Histórico

Suriani relembra 50 anos de Stonewall com arte na rua em Nova York

Sté Reis

04/07/2019 18h28

Suriani, Homo Riot em clique do curador Dusty Rebel em Nova York

A primeira vez que conversei com Rafael Suriani, era 2015 e ele tinha acabado de expor pela primeira vez na galeria TAG, de São Paulo, os registros de lambe lambes de drags que ele espalhou pelas ruas do Brasil e do mundo com o projeto Born Naked, inspirado em uma frase icônica de Mama Ru.

Entre as escolhidas, astros do reality Ru Paul Drags Race como Milk e Adore Delano e também de suas pupilas brasileiras Gloria Groove e Pabllo Vittar. Quatro anos depois, o Born Naked cresceu e virou um livro: o Street Queens, lançado em 2018. 

Ikaro Kadoshi, primeira drag registrada por Suriani nos muros (Divulgação | Suriani)

Depois do lançamento no Brasil, Suriani foi explorar as cenas LGBTQIA+ de Paris, Berlim, Espanha, Montreal, Estônia e de algumas cidades nos Estados Unidos.

A mais recente residência artística dele foi em Nova York, onde celebrou os 50 Anos da Revolta de Stonewall com uma arte em homenagem à ativista Martha P. Johnson e os movimentos de liberação queer que deram início ao movimento de emancipação da comunidade.

Arte de Suriani em homenagem à ativista Marsha P. Johnson

Suriani produziu um lambe inspirado em um retrato de Marsha feito por Richard Shupper em 1991. Em parceria com o artista Homo Riot, eles produziram um mural coletivo na esquina da Second Avenue. A arte também ganhou destaque na instalação e performance Bandiere Queer, organizado pela associação AnconaCrea e pela Love Pride, ligadas à parada LGBTQIA+ italiana, e que tem como bandeira a ilustração do artista brasileiro. O lambe de Suriani também ganhou destaque em uma das maiores páginas de graffiti do EUA, a Brooklyn Street Art.

Suriani expõe nas ruas de Nova York (foto de Dusty Rebel)

Marsha foi uma importante drag e ativista trans que teve um importante papel em Stonewall e deu origem a data do Dia Mundial do Orgulho, em 28 de junho de 69. O Netflix lançou recentemente um documentário sobre ela: "A Morte e Vida de Marsha P. Johnson", que tenta desvendar sua misteriosa morte e conta um pouco das sua luta. 

Homo riot restaurando a arte que chegou a ser vandalizada (foto: Dustin Rebel)

Para acompanhar mais sobre Suriani, segue o Instagram.

 

Sobre a autora

Nascida e criada na periferia de São Paulo, Sté Reis estudou Jornalismo na São Judas e desde então escreve sobre sua relação com as ruas da capital. Se especializou em cultura underground, música e feminismo, foi repórter em UOL Entretenimento e tem textos publicados no Zona Punk, Youpix, Brainstorm9, Deepbeep, Rolling Stone, MTV e Facebook Brasil. É assistente de conteúdo do DJ Marky, do rapper Projota, e compartilha seus achados no Malaguetas, há mais de dez anos no ar.

Sobre o blog

Histórias de quem ocupa a cidade e dicas de intervenções urbanas, música, cultura pop e esportes de rua para quem encara o asfalto de São Paulo e busca novas formas de viver a capital.