menu
Topo
Asfalto

Asfalto

Categorias

Histórico

As intervenções urbanas do Afrobapho mostram porque Salvador está fervendo

Sté Reis

14/12/2018 01h36

O coletivo baiano Afrobapho (PH Mota/ Afropabho)

Neon, música, performance e referências afrofuturistas se unem nesse coletivo baiano que surgiu para levar às ruas intervenções urbanas que discutem raça, gênero e sexualidade

Alan Costa, Malayka SN, Ah Teodoro e Carolina Neves Lisboa queriam levar suas discussões políticas nas redes sociais a um novo espaço, mas acabaram encontrando além da amizade, uma forma de expressão cultural.

"Buscávamos uma linguagem para discutir coisas tão importantes, quanto ser negro, ser LGBT e mostrar como o racismo e a LGBTfobia afetam e agridem nossos corpos", explica Alan. "Fizemos ensaios fotográficos, de movimentos sociais e culturais, sobre ancestralidade, sobre o genocídio da juventude negra e viralizou. Recebemos um convite da Anistia Internacional para participar da campanha Jovem Negro Vivo."

Alan Costa, um dos integrantes do Afrobapho (Tauan Carmo / Afrobapho)

Com o apoio da ONG, o Afrobapho ganhou visibilidade para expandir seus ensaios fotográficos coloridos e empoderadores. O primeiro sucesso veio com a versão de "Bixa Preta", da MC Linn da Quebrada, filmada nas ruas de uma favela baiana. "A gente encontrou uma forma diferente de falar sobre os nossos corpos. Começamos a fazer intervenções urbanas, a pensar na rua como uma outra forma de diálogo. Vamos pra rua disputar a cidade, mostrar que a gente não deve ficar isolado em nossos 'guetos'."

A referência da festa Batekoo, que também surgiu em Salvador, fomentou ainda mais o processo criativo e afinou o discurso do Afrobapho, que encontrou uma comunidade disposta a sair da marginalidade. "Criamos nossa festa como mecanismo de militância e a arte passou a ser um fio condutor."

Entre 2017 e 2018, o Afrobapho recebeu convites para participar do Bloco da Pabllo Vittar na Bahia, do festival Coquetel Molotov e para festas em São Paulo, com o Coletividade Namíbia, e no Rio de Janeiro.

"A partir desses convites surgiu a necessidade de criar um show para fazer um resumo do nosso ARTvismo. Usamos a dança para mostrar como nossos corpos dissidentes são poderosos. No início, trabalhávamos mais com artes visuais com drag queers, performers, que usavam a dublagem e a dramaticidade de uma forma mais artística e teatral", explica Alan. "Depois de algum tempo, incorporamos a dança em nossos eventos, motivados pelo sucesso do vídeo de 'Bixa Preta"', explica Alan.

Além da dança, o Afrobapho produz os próprios figurinos (Instagram / Afrobapho)

Alan explica que o coletivo não queria apenas ser uma frente LGBT, mas também discutir padrões sociais. "A gente percebe que a cidade é de maioria negra, mas são pessoas negras sofrendo com sexualidade de gênero. A questão é que a heteronormatividade agride nossos corpos de alguma forma. A ideia é não comungar com o padrão, as pessoas que estão com a gente são bixas afeminadas, travestis, homens trans, usam salto, muita maquiagem."

As referências vão de Lacraia, Vera Verão ao clássico Paris Is Burning. "O afrofuturismo também é uma corrente cultural que a gente acredita. Nossos figurinos têm um mix e cores que reverberam para o futuro."

"O afrofuturismo é uma corrente cultural que a gente acredita. Nossos figurinos têm sempre um mix e cores que reverberam para o futuro" (Helen Salomão / Afrobapho)

Com o trabalho no projeto Quilombox, uma série de oficinas criativas para falar de direitos humanos e fortalecer redes de jovens negros, o coletivo foi convidado por uma professora da Flórida para falar sobre a vivência deles no Brasil em uma conferência na Jamaica, onde ser gay ainda é considerado crime. Para isso, abriram um financiamento coletivo que tá rolando no Vakinha para arcar com custos de hospedagem e passagens.

Em 2019, o coletivo deve participar de convenção LGBT na Jamaica (PH Mota / Afrobapho)

Alan acredita que as ações dos últimos três anos já iniciaram uma mudança de percepção nos eventos em que participam na cidade. "Já ouvimos que a gente era uma vergonha para a comunidade gay e hoje as pessoas estão mais aptas a entender porque utilizamos essas narrativas. A rua é um espaço de risco e precisamos ocupá-las".

Coletivo Afrobapho, de Salvador (PH Mota/ Afrobapho)

Imagens produzidas para o festival Presentyzmo, que rolou no início de dezembro (PH Mota / Afrobapho)

Siga o Afrobapho nas redes sociais (PH Mota / Afrobapho)

Luma Nascimento, parceira no projeto Prezentysmo,  (Mavi / Afrobapho)

 

Sobre a autora

Nascida e criada na periferia de São Paulo, Sté Reis estudou Jornalismo na São Judas e desde então escreve sobre sua relação com as ruas da capital. Se especializou em cultura underground, música e feminismo, foi repórter em UOL Entretenimento e tem textos publicados no Zona Punk, Youpix, Brainstorm9, Deepbeep, Rolling Stone, MTV e Facebook Brasil. É assistente de conteúdo do DJ Marky, do rapper Projota, e compartilha seus achados no Malaguetas, há mais de dez anos no ar.

Sobre o blog

Histórias de quem ocupa a cidade e dicas de intervenções urbanas, música, cultura pop e esportes de rua para quem encara o asfalto de São Paulo e busca novas formas de viver a capital.